18 de maio de 2016

A família em crise

Olá pessoal tudo bem? Todos os domingos na minha igreja são entregues um boletim informativo para todos que ali estão além de conter a liturgia do culto e os avisos contêm uma reflexão. No boletim deste domingo tinha uma curta reflexão sobre a família, é ela que venho compartilhar com vocês.

“Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, me deu da árvore, e eu comi.” Gn. 3:12.

O pecado entrou na família e adoeceu os relacionamentos. Nossos primeiros pais perderam a comunhão com Deus e se esconderam. Perderam a comunhão conjugal e brotaram as acusações. Perderam a paz interior e foram atormentados pela culpa. O casamento deixou de ser um jardim e tornou-se um deserto.

Os filhos nasceram e se tornaram prósperos, mas o relacionamento estava enfermo. Caim sentiu inveja do irmão Abel. Em vez de imitar as virtudes, matou-o com requintes de crueldades. Ainda hoje há muitas famílias em crise. Muitos cônjuges não se entendem mais. As palavras de carinho se transformaram em acusações impiedosas ou em silêncio gélidas. Muitos filhos, em vez de celebrar a união como irmãos, entregam-se à competição.

A família em vez de ser um reduto de segurança e amor, tem se transformado na arena das disputas mais acirradas, das mágoas mais profundas e do desprezo mais cruel. A família tem sido bombardeada nas casas de leis e nas ruas. Torpedos mortíferos têm sido lançados sobre a família para destruí-la. A solução para uma família é voltar-se para Deus!

Nós matamos ou damos vida aos nossos relacionamentos dependendo da maneira como nos comunicamos. O sábio afirmou: “A morte e a vida estão no poder da língua...” (PV. 18.21).
O lar não deve ser um campo de batalha que mata os seus feridos, mas um hospital que cura os enfermos. A família é o lugar onde aqueles que caíram podem se levantar. É o cenário onde o perdão triunfa sobre a mágoa e a reconciliação prevalece sobre a hostilidade.

Há muitas famílias em crise, muitos casamentos desfeitos e muitos lares destroçados. Assistimos, com lágrimas nos olhos, pais se revoltando contra os filhos e filhos matando seus pais. Coisas estão destruindo relacionamentos e as avarezas estão destronando o amor. Não podemos concordar com essa marcha inglória.

O lar não pode ser o território da mágoa e da indiferença; das brigas raivosas ou do silêncio gelado. O lar precisa ser um paraíso na terra, um jardim no deserto e uma ante-sala do céu.


O lar precisa ser um canteiro fértil onde floresça o amor que cura e restaura que perdoa e esquece que abençoa e celebra.

 (Extraído devocionário CADA DIA-Especial da família)

2 comentários:

  1. Muita verdade o que você disse, vejo casamentos de 30, 40 anos acabarem e fico triste de ver essas famílias desfeitas, oro muito em casa pela minha família e a família de todos.
    http://souadultaagora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Amiga que post lindoooo.
    Infelizmente é muito triste ver vários lares sendo destruído...oremos para que o Senhor entre nos lares e faça transformações.
    Um abraço e fica com Deus.

    http://embaixadoradedeus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião ela é muito importante para mim.